quarta-feira, 17 de setembro de 2014

As imagens na Igreja Católica.

imagens-de-santos-catolicos-30cm-em-gesso-direto-da-fabrica_MLB-O-3078085289_082012

Sabemos que existem muitas diferenças entre a fé católica e a protestante. Dentre todas elas, talvez a que me chama mais atenção e distancia ainda mais essas duas igrejas é a polêmica doutrina das imagens.

De um lado temos a crítica evangélica afirmando ser pecado fabricar e prestar culto às imagens, baseada em ambas as Escrituras: Antigo e Novo Testamentos. De outro lado os católicos se defendem dizendo que não são idólatras, nem adoram as imagens, apenas veneram-nas, baseando-se para isso, principalmente, na Tradição da Igreja Católica e em algumas poucas passagens do Antigo Testamento.

Quem está com a razão? Os católicos, que afirmam ser apenas de caráter pedagógico e decorativo o uso das imagens, ou os protestantes, que afirmam ser antibíblico este ensinamento, vendo no argumento católico apenas uma forma disfarçada de idolatria?

A palestra tem por objetivo mostrar através da História a conflitante origem das imagens na igreja católica e principalmente do ponto de vista das Escrituras Sagradas, a sua refutação.

AS IMAGENS COMO OBJETO DE CULTO NO PAGANISMO.
O paganismo sobrevivia sob o suporte do visível e do material, de representar Deus por meio da matéria, com todas as suas cerimônias, rituais, imagens e muitos deuses intermediários. Era inconcebível à mentalidade religiosa antiga conceber apenas um único deus e sem representações visíveis.

A CONCEPÇÃO BÍBLICA DE DEUS.
No livro de Êxodo 3.14, Deus se revelou a Moisés como o grande “Eu Sou”. Ele é o Deus invisível e transcendente, que exige fé e obediência do seu povo, pois: “ouvistes; porém, além da voz, não vistes figura alguma” (Deuteronômio 4:12). Adiante a advertência é reforçada um pouco mais, conforme podemos observar: “Guardai, pois, com diligência as vossas almas, pois nenhuma figura vistes no dia em que o Senhor, em Horebe, falou convosco do meio do fogo” (v.15).

Portanto, Israel não poderia representá-lo em hipótese alguma, disse Deus: “Para que não vos corrompais, e vos façais alguma imagem esculpida na forma de qualquer figura, semelhança de homem ou mulher”(v.16).


AS IMAGENS NA HISTORIA DA IGREJA.
Na igreja pós-apostólica as imagens nunca tiveram aceitação, fosse por parte dos membros ou dos bispos. Aliás, é notável o que o escritor Stan-Michel Pellistrandi diz em seu livro, O cristianismo primitivo, sobre a opinião dos Pais da Igreja a esse respeito: “A Igreja – isto é, sua hierarquia e sua elite intelectual – durante longo tempo manifestou uma hostilidade de princípios contra as formas de arte, consideradas como um produto da civilização pagã, difíceis, se não impossíveis, de serem cristianizadas. Sobre este ponto, os testemunhos dos autores eclesiásticos antigos são unânimes”. Deste modo, o ensinamento unânime dos Padres dos primeiros séculos, o qual a igreja de Roma se preza de respeitar e venerar, é radicalmente adverso ao uso de imagens no culto. Adicionalmente, como notou Agostinho, também os pagãos, salvo os muito incultos, não tomavam as imagens como algo mais que representações; mas são precisamente tais representações o que os escritores cristãos antigos proíbem como contrárias às Escrituras e, portanto opostas ao cristianismo.


A TEOLOGIA DAS IMAGENS.
No culto católico as imagens não são somente ornamento litúrgico, são objeto de culto. a Igreja transformara os santos em padroeiros e milagreiros, então tudo no santo possuía uma virtude, mesmo depois de morto. As imagens desse santo, por sua vez, possuíam os mesmos poderes por estarem em contato com suas relíquias.

A justificativa teológica para o culto às imagens é a encarnação de Cristo. Deus se materializou, se fez carne, portanto, os católicos se sentem justificados em fazer imagens materiais deste Deus. O culto das imagens é chamado de veneração, dizem ser uma adoração relativa diferente àquela prestada a Deus. Isso recebe o nome de dulia.

A suposta justificativa bíblica é retirada de algumas passagens das Escrituras, onde Deus mandou Moisés ornamentar o tabernáculo com figuras de animais, a construção da serpente de bronze e os querubins do santíssimo lugar.


RESPOSTA ÀS OBJEÇÕES.

Deus mandou fazer imagens?

Argumento católico: As imagens católicas são como os retratos de parentes.

Resposta apologética: Ninguém jamais viu um protestante borrifando água-benta para santificar um retrato de familiares, acendendo-lhe velas, prostrando-se perante ele, acariciando-o com beijos, fazendo-lhe pedidos, carregando-o em procissões ou colocando-o nos altares das igrejas. Expor tal fotografia a esses atos seria condenável aos cristãos evangélicos. Ademais, ninguém jamais captou a imagem de Cristo ou de Maria para saber as suas fisionomias.

Argumento católico:Deus mandou Moisés fazer dois querubins de ouro e colocá-los por cima da Arca da Aliança (Êxodo 25.18-20).

Resposta apologética: A única finalidade dos querubins era ornamentar a Arca da Aliança, do mesmo modo a que se destinavam os demais objetos do Tabernáculo. Eles não eram de maneira alguma objetos de culto ou veneração.Deus nunca deu ordem a Moisés ou a Arão para confeccionarem réplicas dessas imagens, a fim de serem distribuídas ao povo, como faz a Igreja Católica com suas imagens sacras.

Argumento católico: Deus mandou o povo construir uma imagem de uma serpente e olhar para ela.

Resposta apologética: A serpente de bronze tão somente serviu, naquele momento, para fins específicos, mas quando mais tarde o povo começou a venerá-la, prestando-lhe, quem sabe, um culto de dulia, o piedoso rei Ezequias mandou quebrá-la, chamando-a de “Neustã”, que significa, “pedaço de bronze” (Cf. 2Reis 18:4).


Conclusão.
o culto que o catolicismo presta aos santos e a Maria é, na prática, idolatria velada. A pessoa que estudar, ainda que superficialmente, a Palavra de Deus constatará que as justificativas católicas em favor do uso das imagens não passam de eufemismos piegas que não suportam um confronto bíblico..

Prof. Paulo Cristiano da Silva CACP

Como Arranjar um Namorado Cristão.


“Um relacionamento pode destruir nossa vida ou nos trazer muita felicidade. Por isso, é imprescindível que você busque a Deus em oração, e peça a Ele que ilumine os seus caminhos, para você descobrir qual é a Sua vontade sobre este assunto. É preciso ter uma mente aberta para aceitar a indicação de Deus, mesmo que esta seja contrária a seus sentimentos.
Então, não se desespere nem se desanime; com certeza, Jesus tem uma pessoa maravilhosa para lhe apresentar, alguém talvez que você ainda não saiba quem é, mas que no tempo apropriado você poderá conhecer”.
Isto não significa que não haja nada para fazer. Alguns itens importantes incluem:
1. Levar uma vida de bastante oração e estudo da Bíblia.
2. Estar a caminho ou já possuir uma profissão capaz de manter um lar.
3. Ser alguém trabalhadora e de palavra.
4. Ser cortês para com o futuro esposo não somente para conquistá-lo mas como fruto de um genuíno interesse de fazer a outra pessoa feliz.
5. Ler livros sobre relacionamento interpessoal. Desenvolver a habilidade de ouvir.
6. Pedir a Deus para misturar-se com outras pessoas, ser prestativa e amiga. Mesmo sendo tímida é possível fazer novas amizades, nem que para isso seja preciso viajar para outros lugares.
7. Reconhecer a importância da escolha pessoal. O futuro esposo não é uma pessoa “certa” que Deus escolheu pra gente. É uma escolha nossa que Deus quer orientar e dirigir. Mas devemos assumir total responsabilidade pela decisão tomada. É uma escolha para a vida.
Sabe, quando a gente entrega a Cristo todas as expectativas, projetos de vida e decisões, não ficamos mais ansiosos. Descanse em Jesus através desta promessa, "Entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele, e mais Ele fará". Salmos 37:5.
Entregue portanto a Deus, tudo o que você tem, tudo o que você é, e tudo o que você sente. Entregue seus sonhos, seus planos e seu futuro. Assim, quando o futuro chegar, você será a pessoa mais feliz deste mundo com a pessoa que Deus escolher para você.
Ficaremos aqui orando e torcendo por você.
 Minha foto 
Pastor Valdeci Junior 

Em noite de tempestade, menina sonâmbula anda 5 km até cidade vizinha.

Crédito: BBC
Thea Sorensen vestia somente calcinha e um par de botas.


Uma menina sonâmbula de quatro anos virou notícia na Noruega ao sair de casa e caminhar de noite por quase cinco quilômetros em direção a uma cidade vizinha debaixo de uma forte tempestade.

A tia de Thea, Kristine Sorensen – que está cuidando dos sobrinhos durante as férias da mãe das crianças – afirmou ter pensando que a menina estava em casa quando atendeu o chamado dos policiais.A polícia localizou a menina ilesa na cidade de Honningsvag, no norte da Noruega, após um telefonema de moradores na manhã da última segunda-feira, disse o jornal local Finnmark Dagblad.
"Eu corri em direção ao quarto e fiquei em pânico quando vi que ela não estava na cama", afirmou ela ao jornal Verdens Gang.
A menina se lembra de sonhar que a casa estava pegando fogo, de calçar seus sapatos e destrancar a porta da frente, disse a tia.
A criança teria caminhado em direção a uma fábrica de peixes e então atravessado um túnel de 800 metros para chegar a Honningsvag.
"Ela deve ter ficado fora de casa por muitas horas", afirmou a tia. "O que é impressionante é que o tempo está frio e muito feio. A casa chegou a balançar durante a noite, devido à força dos ventos".
Em entrevista ao Verdens Gang, a mãe de Thea, Nadia Sorensen Leinan, disse que não foi o primeiro episódio de sonambulismo da filha.
"Eu também sou sonâmbula e já vi Thea caminhando dormindo. Mas ela nunca havia saído de casa", afirmou.

BBC/ Brasil

Marina se diz atacada por ser “filha de pobre, preta e evangélica”

Marina se diz atacada por ser “filha de pobre, preta e evangélica”

A candidata à Presidência pelo PSB, Marina Silva, afirmou que está sendo alvo de uma campanha de alvo por ser “filha de pobre, preta e evangélica”. A ex-senadora tem recebido diversas críticas dos seus adversários e está se sentindo vítima de uma campanha de ódio.
“Onde já se viu querer que a gente diga a verdade sobre a sua trajetória e a sua biografia? Filha de pobre, preta e evangélica é para ser desrespeitada, caluniada, tratada com preconceito”, disse Marina ironicamente durante um comício na Paraíba.
A candidata afirmou que no Brasil as pessoas convivem com os diferentes “de forma respeitosa, amorosa, acolhedora entre quem crê e quem não crê, entre quem é católico e quem é evangélico”.
A ex-senadora não falou diretamente sobre a presidente Dilma Rousseff (PT), nem sobre o candidato do PSDB, Aécio Neves, mas afirmou que “eles” se recusam a falar a verdade sobre a sua trajetória de vida.
“Quando eu peço para eles pararem com a mentira e com a calúnia, eu estou me fazendo de vítima. Olha como a política ficou perversa. Você é apunhalada, caluniada e tem de ficar calada e sorrir agradecida, porque senão eles reclamam.”
O PT tem feito diversos ataques a Marina Silva em uma tentativa de tirar as vantagens que ela vem apresentando nas pesquisas de intenção de voto. A ideia da campanha de Dilma Rousseff é desconstruir a imagem da ex-ministra do Meio Ambiente para que ela perca votos.
Além de falar de questões ligadas à área econômica, o PT tem usado as alterações do programa de governo do PSB para dizer que Marina não tem compromisso com a comunidade gay. Com informações Estadão / Gospel  Prime.

ISRAEL.


Gelo em Floriano.

francisco floriano
Floriano: promessas não cumpridas
Anthony Garotinho e o deputado federal Francisco Floriano, deputado ligado a Valdemiro Santiago, não se falam mais. Floriano havia prometido mundos e fundos para Garotinho, inclusive o apoio do Apóstolo nas eleições para o governo do Rio de Janeiro. Nada foi cumprido.
Por Lauro Jardim / Veja.

PÉROLAS DIÁRIAS.


"Eu vim para lançar fogo sobre a terra e bem quisera que já estivesse a arder." Lucas 12.49.
Quem é Jesus? Ele é o Cordeiro de Deus, o holocausto perfeito, o bom Pastor. Ele é a porta, o caminho para o Pai.
Como foi Jesus? Pedro disse que Ele era puro, imaculado e inocente; Paulo testifica que Jesus não conheceu pecado. Mas o anseio íntimo pelo fogo que deveria arder não foi despertado unicamente pela pureza e inocência de Jesus. Muitos sabem que foram purificados pelo sangue do Salvador e justificados pelo nome do Senhor Jesus. Mas este fato não acende o fogo do Espírito Santo – e assim chegamos a uma outra pergunta importante:
Como viveu Jesus? Em obediência! "...A si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte, e morte de cruz." Aqui já nos aproximamos do mistério do fogo que arde sempre, a revelação da Sua missão: "Eu vim para lançar fogo sobre a terra e bem quisera que já estivesse a arder." Ele conhece o caminho para isso e diz: "Tenho, porém, um batismo com o qual hei de ser batizado; e quanto me angustio até que o mesmo se realize." Jesus se despiu da Sua glória legítima para que por meio dEle pudesse ser aceso o fogo sobre a terra!

18 de Setembro na História.

1950
Inaugurada em São Paulo a TV Tupi, primeira emissora de televisão do Brasil.
1955
A Sociedade Geográfica Nacional, dos EUA, anuncia a descoberta de uma vasta área verde-azulada em Marte que se supõe seja de vegetação viva.
1957
Winston H. Price, da Universidade Johns Hopkins, anuncia a descoberta de uma vacina contra um dos principais vírus da gripe.
1967
Briga entre torcedores no estádio de Kayseri, na Turquia, deixa quarenta mortos e mais de sessenta feridos.
1969
Os ministros militares assinam uma nova Lei de Segurança Nacional, que prevê o fuzilamento como meio de execução da pena de morte.
1974
Após recesso de seis meses, recomeçou em Genebra o segundo turno das Conversações para Limitação de Armas Estratégicas (SALT-II).
1975
Patrícia Hearst, herdeira de um império jornalístico é presa em San Francisco, EUA, por agentes do FBI, juntamente com dois outros membros do Exército Simbionês de Libertação.
1989
Cientistas do Instituto Nacional do Câncer dos EUA realizam com sucesso o primeiro transplante, em seres humanos, de células geneticamente alteradas.
1995
ONU discute o destino do mar de Aral que, desde 1960, vem sendo reduzido devido ao desvio das águas de seus afluentes para irrigação de lavouras.
1998
Centenas de milhares de pessoas saem às ruas de Teerã para pedir guerra santa contra os talibãs, islamitas radicais que controlam o governo do Afeganistão.
2004
O terrorista tchetcheno Shamil Basaiev assume, pela internet, a responsabilidade pelo sequestro de mais de 1.200 pessoas na cidade russa de Beslan, em 1º de setembro.
Fonte: Barsa

PREFEITURA DE NITERÓI INTIMOU A PRIMEIRA BATISTA DE NITERÓI POR TER EM SUAS DEPENDÊNCIAS UMA FAIXA ESCRITA: "NITERÓI ESTAMOS ORANDO POR VOCÊ!"




É inacreditável, mas a Prefeitura de Niterói ultrapassou os limites do bom senso. O documento ao lado é uma INTIMAÇÃO que um fiscal deu para a Primeira Igreja Batista de Niterói, por ter em suas dependências, isto é, dentro de sua propriedade, uma faixa escrita: "Niterói estamos orando por você!" 

É isso mesmo que você leu! A PREFEITURA DE NITERÓI, intimou a Igreja a retirar a faixa! 

Confesso que a atitude da PIB de Niterói foi uma atitude louvável. Nossos irmãos estavam rogando a Deus pela paz da cidade que vive debaixo de uma violência sem precedentes, todavia, para a prefeitura, a oração dos nossos irmãos não é bem vista e nem bem vinda! 

Pois é, apesar dos pesares, continuemos orando por Niterói, mesmo porque, não precisamos de faixas para orar pela cidade.

Renato Vargens 
. OBS: Quero ressaltar que não acredito que a Igreja tenha sofrido perseguição. O que acho é que o ESTADO não tem que se intrometer numa propriedade privada. A faixa estava intramuros o que na minha opinião legitima o uso dela. Contudo conforme um leitor do BLOG o artigo 295 é claro quanto à autorização de faixas, ainda que em território privado. A Lei 2624 de 2008 autoriza a prefeitura a intimar quem quer que seja, mesmo que a faixa esteja em propriedade privada.

Pastor Renato Vargens.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

AD em Pernambuco: Recife ou Abreu e Lima? (Parte 2)


Fachada do atual Templo Central da AD em Recife
Por Márcio Santos
Como vimos no artigo passado, a Assembleia de Deus (AD) em Pernambuco era uníssona e jamais os nossos pais e pioneiros imaginavam os dias que hoje vivemos. Por agirem assim, acabaram surgindo inúmeros ministérios e denominações rotuladas como Assembleia de Deus. É bem verdade que, a Igreja de Cristo não está presa a nenhuma placa denominacional, mas sim aos fieis a Deus de toda Terra.
A AD no Estado de Pernambuco no início dos anos 50 já era uma das maiores igrejas do Brasil, embora que somente mais tarde os números iriam confirma-la como a maior AD do país. Nesses anos, como a família Carlson não havia deixado nenhum sucessor sanguíneo do ilustre missionário sueco Joel Carlson, a direção da igreja passara então as mãos de obreiros locais.

Isso significava uma perca enorme para o sistema organizacional que a família do pioneiro trouxera moldada no sistema sueco. Infelizmente, alguns registros apontam algumas falhas administrativas em alguns obreiros neste período. Entre elas cheguei a citar como exemplo, o caso do então pastor João de Paiva (1947-1953) da filial que estava no antigo povoado de Maricota conhecido mais tarde como a cidade de Abreu e Lima.
Pr. José Amaro
Mas, foi somente com a aclamação do nome do então Evangelista da cidade de Vitória de Santo Antão, José Amaro da Silva em 23 de maio de 1956 para ser o presidente da igreja, que essa crise entre a direção da AD em Recife e Abreu e Lima se acentuasse. Não que ele mesmo tenha cooperado para isso, pois os historiadores são unanimes em afirmar que o pastor José Amaro era um homem de um lindo caráter e portador de uma autoridade espiritual e administrativa inigualável. Inclusive, foi nessa época que a denominação em Pernambuco chegou a ser a maior do Brasil, construindo o atual Templo Central na Avenida Cruz Cabugá, 29, no bairro de Santo Amaro no centro do Recife.
Ainda nesses dias, a igreja em Abreu e Lima estava ligada literalmente à direção na capital, embora que esta já havia tentado desligar-se em 1953 da direção. Porém, a crise entre os dois ministérios deu-se mais precisamente em 1977 com a morte do então Pastor Presidente José Amaro.


Pr. Isaac Martins


Nessa época, dois ilustres pastores cooperaram durante anos ao lado do pastor José Amaro, e com isso cada um esperava uma aclamação a presidência da igreja como no caso do pastor Amaro, o que não ocorreu. Eram os pastores José Leôncio da Silva e Isaac Martins Rodrigues, esse por sua vez já pastor em Abreu e Lima. Ao término da "disputa", pastor Leôncio vence a eleição e passa a ser o novo Pastor Presidente das AD no Estado.



Entretanto, entre os ministros já existia um forte grupo de obreiros que também apoiavam o pastor Isaac Martins intensificando ainda mais a sua influência. Segundo o historiador Mário Sérgio, a derrota nas eleições para a presidência instigou-o a promover uma espécie de "divisão branca". Isso se deu com o reconhecimento de mais um "ministério" em Pernambuco pela Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil (CGADB).


Finalmente em 1981, por uma decisão da mesma, foi fundada pelo pastor Isaac Martins o novo "ministério", contudo o desejo de dividir a denominação no Estado e criar a própria convenção de ministros ainda estaria por vir. Sobre esse momento o historiador Mário Sérgio ainda detalha:





Pr. José Leôncio
"No começo, as relações entre as ADs em Recife e Abreu e Lima era cordiais, até porque o ministério liderado pelo pastor Issac se expandiu principalmente para região da zona da mata norte, antes da região de Goiana. Havia respeito e uma espécie da acordo tácito na questão da jurisdição eclesiástica, e ninguém invadia o campo de trabalho alheio." (AD e a divisão em Pernambuco)
Foi então que 1998 a Convenção e a Igreja em Recife abraça o seu novo Pastor Presidente, o pastor Ailton José Alves, genro do pastor Leôncio. O detalhe é que, em menos de dois anos depois, o pastor Isaac Martins ainda vivo em Abreu e Lima formalmente cria a sua convenção independente, a COMADALPE (Convenção de Ministros da Assembleia de Deus em Abreu e Lima). Já cansado e de pouca idade, pastor Isaac em 2004 "consagra" e aclama a presidência da Igreja e da recém convenção o seu sucessor, pastor Roberto José dos Santos, dando por fim uma esperança na unificação da AD pernambucana.

APAGANDO O PASSADO
Como vimos, a história AD em Abreu e Lima denotava o desejo concluindo assim a divisão com o ministério em Recife. Contudo o que nos chama a atenção é que, só a partir dos anos 2000 a AD em Abreu e Lima cria o seu ministério. Isso significa que até esse momento, toda direção vinha do ministério em Recife, determinada pelos pastores presidentes que até o momento conduziram a Igreja e delegava ministros para trabalharem na cidade.


Fazendo um estudo minucioso no site oficial da COMADALPE e olhando a galeria dos Pastores Presidentes, percebi que literalmente foram excluídos todos os homens que Deus levantou para presidir a Igreja em todo o Estado, substituindo-os pelos obreiros locais que tomaram conta do campo em Abreu e Lima sob a autorizada do ministério em Recife. Confira abaixo.






Nessa relação, deveriam constar as fotos dos seguintes Pastores Presidentes em Pernambuco:Missionário Joel Carlson, José Bezerra da Silva, José Rosa dos Santos, Manoel Messias Ramos, Joaquim Gomes da Silva, José Amaro da Silva, José Leôncio da Silva e consequentemente Isaac Martins Rodrigues e por fim, Roberto José dos Santos, o que não consta.
Assim, como não podemos ocultar o precioso trabalho que a AD em Abreu e Lima têm feito em prol do Reino de Deus, o ministério da mesma Igreja não poderia apagar de sua história cada valiosa participação dada por muitos servos de Deus à frente do rebanho, e nunca afastando-se mais e mais da igreja mãe que iniciou com muito afinco a evangelização de Abreu e Lima.
Atualmente, tanto a tradicional CONADEPE como a COMADALPE, são reconhecidas pela CGADB presidida pelo pastor José Wellignton Bezerra da Costa.


___________________

Fontes:Blog do Diácono Márcio Santos


Website: http://www.ieadpe.org.br/portal/faces/ieadpe/historia.jsp (acessado em 22/08/14).

SANTOS, Roberto José. (Org.). Assembleia de Deus em Abreu e Lima - 80 Anos: síntese histórica. Abreu e Lima: FLAMAR, 2008.

ANDRADE, Moisés Germano de. "Uma história social" da Assembleia de Deus: a conversão religiosa como forma de ressocializar pessoas oriundas da criminalidade. Dissertação (Mestrado) - Universidade católica de Pernambuco. Pró-reitoria Acadêmica. Curso de Mestrado em Ciências da religião, 2010.

Website: http://www.comadalpe.org/portal/institucional/galeria-dos-presidentes (acessado em 22/08/14).

FRESTON, Paul. Breve História do Pentecostalismo. In: ANTONIAZZI, Alberto. Nem anjos nem demônios; interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

Assembleia de Deus em Pernambuco: Recife ou Abreu e Lima? (Parte 1).


Fachada do templo sede, em Abre e Lima
Por Márcio Santos

Historicamente falando, a Igreja Evangélica Assembleia de Deus em Pernambuco é portadora de um patrimônio cultural gigantesco. Diferentemente de outras denominações, a AD desde os seus primórdios cresceu abalizada no costume dos missionários suecos que desembarcaram no Brasil e consequentemente, foi constituída de um sistema de governo presbiteral autônomo.

Isso quer dizer que, em cada estado onde a AD chegava, a direção dos trabalhos eram dados literalmente aos pastores locais. Partindo desse pressuposto, podemos fazer duas análises críticas.

Primeira: Observamos com isso que de uma certa forma, a AD aos poucos estava se fragmentando em sua forma de ministério. Já que em cada estado era constituído um pastor presidente, a igreja obviamente estava pouco a pouco isolando-se uma das outras.

Entretanto, isso não quer dizer que cada ministério ficava solto para incrementar no rebanho o que bem entendiam, até porque cada ministério era independente, contudo ligado a CGADB (Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil). A CGADB era e ainda é hoje o órgão diretor de maior responsabilidade doutrinária da denominação, responsável apenas na condução dos pastores no país.

Segundo: Mesmo sem querer, a AD com essa autonomia ministerial em cada estado, estava deixando a desejar numa direção firme segura em seus posicionamentos. Isso apenas seria visto muitos anos depois quando a AD tomaria dimensões além daquelas imaginadas pelos nossos pioneiros. Quanto a isso, penso que jamais Daniel Berg e Gunnar Vingren tinham em mente as divisões que hoje existem dentro da própria denominação, como por exemplo a convenção de Madureira, uma das mais antigas do Brasil fundada pelo consagrado músico e pastor Paulo Leivas Macalão.

Porém, um dos mais falados e relatados casos de divisões entre as AD no Brasil, é sem dúvida o caso dos ministérios de Recife e Abreu e Lima. Constantemente sou questionado sobre essa divisão, e com o objetivo de esclarecer algumas dúvidas estive pesquisando como a AD em nosso estado chegou a tal ponto de discordância. Jamais alguém poderá entender essa divisão se não remeter os olhos ao passado.

No ano de 1916, chegava a Pernambuco um crente chamado Adriano Nobre que já conhecia o poder pentecostal trazido por Deus pelos missionários suecos em Belém do Pará. Em terras molhadas pelo Rio Capibaribe, Adriano Nobre ganhou para Jesus uma família simples na capital. Em 1918, finalmente chegava ao estado o reforço esperado, era o casal de missionário sueco Joel Carlson e Signe Carlson.

A AD começou a crescer e se expandir para o interior. Em 1927, surgia um povoado chamado de Maricota próximo a região de Paulista. Mais tarde esse nome foi transferido para Abreu e Lima. Depois de muito esforço, perseguição e lutas, o trabalho tomou crescimento em Abreu e Lima, sendo necessário a construção de um belo templo.
Pr. João de Paiva - 1947 a 1953
O que muitos não sabem é que, segundo a história oficial de Abreu e Lima, desde esse tempo a direção daquela igreja local já denotava querer ser autônoma em suas decisões, o que era um grave erro ante a 
convenção da mesma em Recife. Em 1953, o então pastor de Abreu e Lima João de Paiva, resolveu dar autonomia jurídica a igreja - após esse registro, chamado de Campo de Abreu e Lima.

Como era de se esperar, no dia 13 de novembro daquele ano, o pastor João de Paiva foi destituído do cargo pelo ministério em Recife. Sobre esse momento, o historiador Mário Sérgio de Santana escreve:

"Teria a atitude do pastor João de Paiva ligações com a crise sucessória da AD em Recife? Pois em setembro do mesmo ano, o pastor José Bezerra da Silva é destituído por questões morais do seu cargo de líder da igreja. O comando interino da igreja ficou sob a responsabilidade do pastor José da Rosa Santos, até a posse de Manuel Messias em 02 de novembro de 1953. No livro histórico da AD em Abreu e Lima, os autores deixam uma pista. Segundo os escritores, pastor Paiva citava sempre o versículo de Provérbios 24. 21: "Teme ao Senhor, filho meu, e não te entremetas com os que buscam mudanças"." (AD e a Divisão em Pernambuco).

Com a saída do pastor João de Paiva da direção da igreja em Abreu e Lima, assumiu o pastor José Rosa dos Santos. Devido alguns problemas no ministério em Recife, pastor Rosa foi convidado a assumir a presidência daquela igreja. Com a ausência do mesmo em Abreu e Lima, João de Paiva tentou mais uma vez dar autonomia ao campo.

Mas Abreu e Lima não tomava iniciativa autônomas apenas na justiça, como também nos costumes da igreja. O ministério da AD em Abre e Lima também estava sendo acusado de romper com a "tradição sueca, trazida pelo missionário Joel Carlson" e de sair da "doutrina". O motivo era a individualização dos cálices na Santa Ceia, algo que na época, nenhuma AD no Brasil fazia.

Na verdade, esses acontecimentos mostravam claramente ao ministério de Recife que Abreu e Lima pretendia um desligamento para ser independente em tudo, o que não foi bem assim. Só depois de 30 anos, com o então pastor Isaac Martins foi que o ministério da AD em Abreu e Lima conseguiu se desligar do ministério de Recife. 

Apesar de hoje existirem inúmeros que tentem legitimar essa divisão, não foi o ministério de Recife que desligou o ministério de Abreu e Lima. Essa divisão, chamada de "Divisão branca", foi ocasionada pelo próprio ministério de Abreu e Lima em contrapartida as decisões do ministério de Recife. Entre esses desentendimentos, sobrou apenas a fachada do templo com o mesmo nome construído em cima de conflitos. Conflitos estes que tratarei em um segundo artigo.

___________________
Fontes: Blog do Diácono Marcio Santos

SANTOS, Roberto José. (Org.). Assembleia de Deus em Abreu e Lima - 80 Anos: síntese histórica. Abreu e Lima: FLAMAR, 2008.

ANDRADE, Moisés Germano de. "Uma história social" da Assembleia de Deus: a conversão religiosa como forma de ressocializar pessoas oriundas da criminalidade. Dissertação (Mestrado) - Universidade católica de Pernambuco. Pró-reitoria Acadêmica. Curso de Mestrado em Ciências da religião, 2010.

FRESTON, Paul. Breve História do Pentecostalismo. In: ANTONIAZZI, Alberto. Nem anjos nem demônios; interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.